O mal que Breaking Bad me fez…

36442_breaking_badAlgumas vezes me pego pensando… “E se eu tivesse feito Química ao invés de Adm…será que eu poderia ser um Walter White?”

Primeiramente, a resposta, graças a Deus, é não… Não tenho nenhum diagnóstico de câncer e como parei de fumar, espero que siga sem esse inconveniente na minha vida. Tão pouco são tão genioso quanto o personagem principal da série para ter doutorado em um assunto tão complexo.

Eu me lembro bem que quando Breaking Bad surgiu em 2008, eu estava trabalhando numa livraria, onde tinha a mais farta e completa variedade de seres humanos possível: nerds, geeks, cults, pseudo cults, cools, fake cools, revoltados, truckers… e veio de um fake cool o comentário que me fez ficar desinteressado : é muito emotivo.

Eu estava alucinando com Lost, na época eu estava fissurado em física quântica, viagens no tempo e tentando replicar os apelidos que o Sawyer da ilha maldita dava para cada um dos personagens com quem ele interagia. Lost acabou e com ele começou meu luto por séries, pois absolutamente nada parecia me “pegar de jeito” como aquela série com mais de dez personagens principais, ideias revolucionarias e final corajoso – sim, eu gostei do final.

Um dia, lendo alguns sites que sigo com assuntos nerds, vi uma comoção sobre o fim do Breaking Bad, alguns dizendo que ali acabava a série mais corajosa e bem feita para TV em todos os tempos. Porra, como eu deixei isso passar? Assim como assistir Lost hoje, sem todo o hype da época de fazer conspirações, esperar os episódios serem liberados nos sites de download, rever toda uma temporada antes de iniciar a outra, ver Breaking Bad hoje seria muito chato…ou não? Enfim, segui dando um tempo para a série… Antes de começar com ela de fato, me dediquei a outra série que deixei de lado no começo por não gostar de algumas atuações e ritmo – The Walking Dead. Sim, talvez eu seja idiota, ou talvez que só precise do incentivo certo para começar a me dedicar a alguma coisa nova.

Quando The Walking Dead começou a ficar depressivo demais, com todo mundo se fudendo e sendo fudido, pensei que seria melhor dar um tempo, ainda mais que minha própria vida estava meio de pernas pro ar, principalmente a parte profissional. Eu precisava de algo que me inspirasse, me tirasse da “zona morta” em que me pus por mais uma tentativa frustrada de me encontrar num emprego que parecia decente e com pessoas inspiradoras… Pois é, as vezes eu sou um idiota sonhador que se enforca com as próprias mãos, mas isso fica pra um post futuro…

Vi O Demolidor – melhor trabalho da Marvel…sim, melhor que Vingadores…Vingadores 2… – e comecei a ver o tal Returned, mas como tinha poucos episódios lançados, eu e minha namorada queríamos apostar em algo que pudéssemos ver em sequencia nas tardes de domingo… E vimos o tal do Breaking Bad que eu tanto posterguei…

Acho que vimos pelo menos uns cinco episódios numa tarde. O ritmo era bom, as músicas, os personagens, o crescimento da história, personagens viáveis…CARALHO, era PERFEITO DEMAIS! Pra quem ainda não sabe, eu sou narrador de RPG, e via ali tantos personagens que eu adoraria ter feito, histórias que eu poderia ter criado…

O final da primeira temporada é insano, com um Sr. White assumindo sua personalidade “do mal”, negociando com traficantes insanos que matam pessoas na porrada, explodindo coisas, sendo duro com seu colega de “cozinha”…

A cada temporada somos apresentados a personagens que são complexos mas possíveis, brutais e viscerais, inspiradores e anti heróis que torcemos que sejam vencedores, por que no final, ninguém esta a salvo de ter cometido um erro…

O final é sim perfeito, como já era de se esperar de uma série que não tinha rabo preso com ninguém – Lost e Arquivo X tiveram forte influência de seus fans na condução da série e inclusive nos seus respectivos finais – era totalmente original e com praticamente todas as pontas bem amarradas e conduzidas de modo perfeito. Final feliz é uma questão de ponto de vista e o que ocorre com Breaking Bad é isso, ele tem um final…e ponto! É um final, não há muito o que se perguntar depois. A série derivada de Breaking Bad, Better Call Saul, se passa na realidade antes da “série mãe”, o que comprova que Breaking Bad acabou como deveria, sem possibilidade ou mesmo necessidade de uma continuação. Walter White é um mostro, como ele mesmo assume na última temporada, por ser algo que todos somos: humano.

Uma noticia como um câncer poderia por um fim na vida de alguém sem perspectivas, com uma vida pacata e sem pretensões maiores que simplesmente pagar as contas que possui. Mas Walter White não é qualquer um… ele queria a chance de viver, de finalmente se sentir vivo, realizado, deixar algo, um marco. Seja na série ou fora dela, ele conseguiu.

Ah, claro… e sobre o mal que me fez? Bom, até Breaking Bad eu só desejava ser levado por Ets (Arquivo X), cair numa ilha quando a unica coisa que poderia me acontecer era morrer mas milagrosamente estou vivo (Lost), ficar cego e ser treinado por outro cego para lutar sem parecer cego (Demolidor) ou ter ligação com antigos espíritos xamanísticos norte americanos (Millenium) ou ainda me tornar um médico sociopata especialista em diagnósticos (House)… De tudo, me tornar químico é a mais viável…

Alguém topa comprar um trailer?! =)

Advertisements