Inside my…

Rhymes with vibes

Month: May, 2015

Por que eu odeio o Chris Weidman…

Minha implicancia com Chris Weidman

Quem me conhece sabe: eu sou muito implicante. Sim, eu sou estúpido o suficiente para não ir com a cara de alguém pelo simples fato de não ir, sem levar em conta a possível – porem remota – chance de eu estar completamente enganado. Afinal, as vezes conhecemos pessoas num dia ruim – tanto para elas quanto pra nós mesmos – e isso pode afetar o comportamento.

Mas, não raras vezes, eu implico com pessoas que sequer conheço, e no fim das contas, depois de algumas oportunidades da pessoa mudar minha opinião, eu sigo convicto : sim, tu me parece um idiota, age como tal e logo eu não vou com tua cara, desejando que de alguma forma tu deixe de existir, não morra, não há necessidade de atos extremos, mas que apenas suma.

Chris Weidman é uma dessas pessoas…

Ele surgiu no UFC mais ou menos como meu outro desafeto – Jon Jones – surgiu: como a esperança americana de novamente ter títulos, umas vez que em ambas as categorias que eles surgiram o dominio de não estudinenses era gritante – Anderson Silva patrolando, brincando e chocando o mundo a sete anos seguidos e com o titulo dos meio pesados passeando entre Lyoto Machida e Maurio Shogun – e as chances nas demais categorias estavam mais equilibradas – Cain Velasquez vinha bem nos pesados, mas era um otimo exemplar de um“hispanoamericano”, não era necessariamente o “truth american” que eles precisavam – e que precisavam ser os melhores…

OK, até ae, não acho que nenhum dos dois sejam lutadores ruins, pelo contrário, Jon Jones dentro do octagono sempre se mostrou um lutador diferenciado, usando com inteligencia um Muay Thay real e brutal, ótima utilização de sua envergadura, chão muito bem trabalhado, seja com as costas no chão ou seja no seu brutal ground and pound, mas ele não era o Capitão America, ele não era o salvador.

Voltando para Chris Weidman…

Branco, forte e com ótimo historico no wrestling, visto por muitos como a “arte marcial de chão americana”, uma vez que nós brasileiros temos o Jiu Jitsu, russos o Sambo, japoneses o Judo, os americanos tambem precisavam ter alguma arte de dominio de solo, e o wrestling, praticado nas escolas e universidades parecia a melhor opção. Aqui Weidman já chegava ao UFC com bom olhos.

Mas antes do UFC, ele trilhou o rumo que vários atletas do MMA fazem – lutas em eventos de menor porte. Lá, no Ring of Combat, Weidman foi campeão contra outro super valorizado atleta em inicio de carreira: Uriah Hall, o “homem ambulancia”, que ganhou este apelido num TUF de baixissima qualidade, e que tão bom que é foi anulado pelo “underdog” Kevin Gastelum, sempre visto como o atleta mais fraco da edição por ser o mais novo e com menor experiencia…

Mais uma vez voltando para Chris Weidman…

Sem  dúvida alguma Weidman tem um cartel invejavel, são nada mais nada menos que treze vitórias consecutivas, incluindo nesse cartel as incriveis vitórias sobre seus altamente gabaritados adversários no Ring of Combat. Para não ser injusto, no Ring of Combat e ele manteve o cinturão lutando contra o Valdir “Bbmonstro” Araujo… nunca ouviu falar dele? Nem eu…

Enfim, no UFC, muitos acreditam que Chris Weidman provou seu valor vencendo ninguem menos que Damian Maia, lutador brasileiro de Jiu Jitsu que é conhecido por ter um chão refinado, multicampeão na arte suave, mas que tambem é conhecido por lutas um tanto irregulares no UFC. Lembro bem daquela luta… eu dormi entre o primeiro e terceiro round e precisei rever três vezes para entender o que o Weidman fez para receber vitória por decisão unânime…

Depois do inconstante Maia, Weidman teria sua “prova de fogo” contra o “temivel” Mark Munhoz, outro lutador que vinha de um cartel bom – eram quatro vitórias em sequência até o confronto contra Weidman, mas nenhuma das lutas contra um verdadeiro top 5 da categoria… –mas tambem conhecido por lutas um tanto quanto irregulares. Essa é a luta que mais gostam de mostrar Weidman, quando ele, com o supercilho sangrando encaixa uma guilhotina e sai levantando o Munhoz até que a luta seja interrompida…

Voltando a analise: branco, ótimo lutador de wrestling, venceu um “grande nome” da categoria  com seu próprio sangue escorrendo pelo rosto,  e no final da luta o abraço da bandeira norte americana… AHA! Conseguiram seu Capitão America…

Na sequencia, atraves de muito lobby e entusiasmo por conta do UFC em ter encontrado ali um jovem norte americano que poderia quem sabe fazer frente a um dos campeões menos comerciais – do ponto de vista deles, OK?! – e mais complexos de lidar na época: Anderson Silva. Dana White nunca escondeu que achava um saco o fato de Anderson Silva não saber falar inglês, não promover as lutas como outros campeões faziam e ter seu jeito, digamos, unico em lidar com a impressa norte americana – basta assistir seu filme, “Como Água” e ver as respostas que ele dava nas entrevistas e como se portava. Não desaprovo, pelo contrário, cada um deve agir como acha melhor!

Sem nenhuma grande luta, sem nenhum atributo que o diferenciasse dos demais da categoria – vejam aqui que eu não sou injusto, reconheço que ele tenha força e um ótimo jogo de grappling, mas… Ronaldo Jacaré tem um chão monstro, Luke Rockhold tem um jogo muito mais completo, Yoel Romero faria frente tranquilamente…enfim, na mesma categoria temos outros lutadores melhor preparados.. mas OK, vamos em frente – e tinha a chance de enfrentar o campeão mais singular de todos os tempos da categoria.

Por mais que eu tivesse bebido umas três ou quatro Buds, lembro bem da cara do Weidman indo pro corner no final do primeiro round… Acho que ele estava com a mesma expressão que eu estava quando não passei na quinta série e tive de contar isso pra minha mãe: desolado. Ele não sabia o que fazer, enquanto o Anderson Silva seguia com o show, dando piruetas, provocando, rindo… até levar aquele soco. O soco que mudou a historia do UFC pra todo o sempre. Joe Rogan gritava “respeito”, “palhaçada acabou” entre outras coisas do calor do momento, e viamos um Weidman fazendo o passo da garça no lago, sem acreditar que tinha conseguido, que tinha alcançado o topo… de que?

O UFC criou um monstro que qualquer pessoa com bom senso sabe que ele não conseguiria repetir o feito novamente. Ele perdeu o primeiro round, seguia perdendo o segundo. Tinhamos de ter a prova de que aquele erro de Anderson foi apenas um erro, que tudo voltaria ao normal, ou pior, que o novo Capitão America tinha de fato nascido para aquele momento e deveria ser um campeão respeitado…

Na segunda luta vimos um Anderson mais centrado, mas tambem mais apático. Ao contrário do Anderson Silva que lutou recentemente contra Nick Diaz, o Spider que enfrentou Weidman estava mais comedido, defendendo bem as quedas e sobrevivendo ao primeiro round. O trágico fim todos nós lembramos.. um acidente trágico… menos para o infeliz treinador de Weidman, um senhor chamado Sr. Longo. Ele teve a coragem de dizer que treinaram aquele tipo de defesa para que aquilo pudesse acontecer…SÉRIO?

Weidman foi hostilizado nas redes sociais desde o primeiro segundo de título, e prova de que não estou louco é ver a sua declaração no final da luta contra Vitor Belfot no último sábado : “por favor, parem de me vaiar…”

Contra Lyoto Machida, vimos um combate que poderia acabar a qualquer segundo sim, ótimas trocas de socos e sim, uma ótima luta por parte dele. Mas não vamos esquecer que Lyoto é outro atleta de inconstâncias, que pode nocautear com um chute em menos de vinte segundos ou ser finalizado ainda no primeiro round.

Eu falei que Chris Weidman tem treze lutas, das quais acompanhei dez, e apenas uma ele teve uma performance que pode ser sim considerada algo fora da curva. Todos os demais lutadores da categoria, nisso incluo Yoel Romero que hoje esta como sexto no ranking oficial do UFC, tem habilidades que se destacam e os fazem ímpares.

Seja por suas declarações idiotas – ficou durante um ano falando sobre o TRT do Belfort – seja por sua super proteção que recebe do UFC, seja por lutas medianas… sim, eu não suporto Chris Weidman…

Wicked version of my day

I don’t see people, only ghosts

no smiles, fake smiles

stillborn, all old

broken souls

ripped and raped

you exchanged your life for gold

but not even all mines of gold in this world

can put shine in your eyes again

Without my heart

This place
Full of shit
Full of hate
Make me want to just stay away
For all my mistakes
For all my disgrace
I hope to never see this place again
But how can I live
Without my heart ?!